domingo, 15 de fevereiro de 2009

Vicky Cristina Barcelona, de Woody Allen


Filme agradável mas ao nível do fraco para o realizador.
A história cheira a mais uma viagem de americanas à procura de não sei quê na Catalunha e que se alimenta de tantos outros clichés.

Só um personagem convence assim assim, Vicky, interpretada por Rebecca Hall, por sinal a menos mediática dos actores que vestem os quatro personagens de um tetraedro amoroso. De Sacarlett Johansson seria de esperar a sensualidade forte de outros filmes que o realizador não explorou num guião que o aconselharia. Javier Barden é um bom actor mas as contradições do personagem (Juan Antonio)não se entendem. Penélope Cruz não dá consistência à personagem que poderia ser a mais complexa e interessante (Maria Elena).

Enfim, nem a vacuidade da burguesia ali representada justifica tão fraca capacidade de desenvolver os personagens a partir de clichés que se limitam a vegetar.

Depois, como se não bastasse a pouca solidez de um enredo, Woody Allen mete um narrador off a dizer o óbvio, a não introduzir qualquer mais valia.

Se é masquista ou se apenas quer ficar ligeiramente bem disposto e pouco consolado, vá ver.

2 comentários:

Carlos Duarte disse...

De acordo! mas não chegou a tempo, fui vê-lo ontem...

Carlos Duarte disse...

De acordo! mas não chegou a tempo, fui vê-lo ontem...