quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Vamos responder às crianças de Gaza

O Conselho Português para Paz e Cooperação condena firmemente o massacre perpetrado pelas forças militares israelitas contra a população da Faixa de Gaza durante o fim-de-semana, que já provocou mais de 300 mortos e cerca de 1500 feridos. Estes ataques são um exemplo particularmente cruel da política de terrorismo de Estado que Israel pratica há várias décadas contra o povo da Palestina e o seu direito a constituir-se em Estado soberano. As acções militares dos últimos dias sucedem-se a um conjunto de provocações e assassinatos de activistas e dirigentes palestinianos perpetrados nas últimas semanas. A nova ofensiva agrava as precárias condições de vida da população na região, cujas condições de vida foram severamente degradadas pelo cruel cerco imposto por Israel há 18 meses atrás. Esta agressão militar desenrola-se num período de transição quer para o governo de Israel, onde o primeiro-ministro está demissionário e a sua sucessão é disputada, quer para o governo dos EUA, a poucas semanas de um novo presidente e seu governo assumirem a administração. O momento destas transições serve assim de oportunidade para cometer um crime iludindo a autoria de quem o comanda – o sionismo associado ao imperialismo norte-americano – para o deixar passar mais uma vez impune. O CPPC alerta para as consequências que estes ataques poderão ter ao abalar a já muito tensa situação no Médio Oriente, onde proliferam forças estrangeiras de ocupação em combate ou estacionadas em bases militares, arriscando o agravamento de outras frentes e focos de conflito. O CPPC exige que o Governo Português e a União Europeia condenem com vigor estes ataques e tomem todas as medidas ao seu alcance para que Israel ponha cobro de imediato a este criminoso massacre e ao desumano bloqueio à Faixa de Gaza. O CPPC rejeita as reacções da «comunidade internacional» que tendem a considerar esta questão como um conflito entre estados, face ao qual pretende permanecer «neutral» – como se não existisse um país ocupante e um povo desterrado e um território ocupado – o que, na prática, significa apoio implícito à política terrorista de Israel e às suas intenções expansionistas. O CPPC presta homenagem às vítimas destes ataques, e demonstra a sua solidariedade para com o povo da Palestina que resiste e as forças palestinianas que combatem, na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, a ocupação sionista, reafirmando as exigências fundamentais para uma efectiva resolução deste conflito: O levantamento do bloqueio a Gaza;O fim da ocupação israelita;O desmantelamento dos colonatos;A remoção do muro de separação;O estabelecimento do Estado da Palestina, com Jerusalém Leste como capital;A resolução justa do problema dos refugiados.

29 de Dezembro de 2008

Acções de solidariedade e protesto


5 de Janeiro a partir das 18hno Largo de S. Domingos, junto ao memorial às vítimas da intolerância

8 de Janeiro a partir das 18h em frente do check-point que a embaixada israelita instalou na colonizada Rua António Enes, nº 16, a S. Sebastião

1 comentário:

Gabriela disse...

Vamos corresponder ao apelo!
Dia 5 de Janeiro vamos mostrar a nossa indignação.
A política terrorista de Israel e a complacência hipócrita da comunidade internacional têm de acabar!
BASTA!
"De pequenas gotas se pode fazer um oceano"