domingo, 4 de outubro de 2009

Suster o retrocesso, votando na CDU


Falando com amigos meus, há dias, a propósito do trabalho do PS na Câmara Municipal de Loures, vi confirmadas as tendências mas também muitos casos particulares que ilustram a inversão negativa ocorrida no concelho após a perda, há anos atrás, pela CDU da maioria depois de, durante muitos anos, aí ter realizado um trabalho notável, que o destacava como um concelho que mais progredira na perspectiva de satisfação das necessidades essenciais da sua população.

Retenho apenas alguns dos episódios ilustrativos.

No que respeita à segurança, em vez de apostar no aumento dos efectivos policiais – elemento fundamental mas não único para a sua melhoria – Carlos Teixeira tem preferido, para alinhar com a política do governo, optar por “contratos locais”
E “projectos-piloto”, que puderam distrair algumas atenções mas se revelaram um fracasso local bem como a polícia municipal com funções de conferir e afagar o status ao presidente.
Depois das cheias de Sacavém de Fevereiro de 2008, a SIMTEJO, empresa inter-municipal, dirigida por um amigo e correligionário, veio em socorro da incúria do Presidente e lançou-se a construir uma espécie de “auto-estrada” para a água só que o colector para onde drena, que foi construído em 1947, continua o mesmo, com grande dificuldade de manutenção e entupimento rápido que geram ciclicamente o saltar das tampas de esgoto. Construir colectores pode não dar votos por ficarem debaixo da terra mas estas vias para dar nas vistas não resolvem…
Na Bobadela, na outra margem do Trancão, a construção de um aterro ilegal foi embargada mas depois da obra estar feita e que, no tempo de chuva, irá condicionar o caudal do rio que poderão acentuar as cheias na baixa de Sacavém.
Carlos Teixeira tem duas pavimentadoras paradas no estaleiro das oficinas mas as brigadas de operários foram praticamente extintas. Teixeira opta por conceder empreitadas a terceiros. Mas as estradas e ruas do concelho estão cheias de buracos, tendo a Rodoviária cancelado circuitos devido ao estado dos pisos.
Em Loures, depois da inauguração da Escola João Villaret, sem pavilhão escolar, aguarda-se mobiliário definitivo e não mais o alugado para Sócrates a poder inaugurar antes das eleições.
Em, Bucelas, terra de bom vinho, Carlos Teixeira colocou uma nova sinalética sobre a chamada Rota dos Vinhos de Bucelas, Carcavelos e Colares. Mas a tal rota é fictícia, ficou em águas de bacalhau, e os sinais enganam quem passa numa péssima propaganda ao vinho de qualidade…apesar de ter sido referido que a rota é financiada pela CE.
Também o trabalho de prospecção das antigas fortificações napoleónicas da Linha de Torres foi entregue a privados, impedindo os técnicos municipais de o realizarem.
Há quatro anos, pouco antes das anteriores eleições, Carlos Teixeira foi entrevistado pelo extinto Jornal de Loures prometeu que, logo depois dessas eleições, poria o PDM em discussão pública (o anterior, aprovado em 1994 já devia ter sido actualizado em 2004…), o que acabou por acontecer…quatro anos depois.
Ainda na cidade de Sacavém, a recolha do lixo está a ser paga pelos munícipes a dobrar…Os SMAS não a fazem por ser “deficitária” (apesar da população pagar o serviço, incluído nas facturas da água) e a Junta de Freguesia, de maioria PS, em vez de reclamar e inverter esta situação paga a uma empresa para o fazer, não resultando essa despesa no exercício de uma competência própria mas do afectar o destino de receitas da Junta, que os munícipes também pagam, a fins que reduzem o seu uso nas competências próprias. Pois é, para õ PS da Câmara e da Junta não serem penalizados eleitoralmente, põe o munícipe a pagar a dobrar…
Mas a melhor de todas – muitas mais aqui se poderiam contar – é o amor da família de Carlos Teixeira pelo município… A esposa é Directora do Departamento, tendo recentemente renovado o mobiliário do seu gabinete. Por isso os munícipes pagaram a módica quantia de…22 mil euros, 16 mil dos quais para se sentar numa nova secretária!
Com um outro director de departamento, por sinal também filho de vereador do PS Borges Neves.
Falar na rede familiar do presidente existente na Câmara de Loures dá para um outro posta. Mas Teixeira não se importa, defendendo o direito da família a tais prerrogativas…
No seu programa para estas eleições, a CDU refere que nos últimos 8 anos Loures perdeu a imagem de inovação e progresso de que gozava.
Os problemas sociais agravaram-se. Cresceu o desemprego, degradou-se a situação económica das famílias, aumentaram as desigualdades e a pobreza. Avolumou-se a insegurança e assistimos ao encerramento de vários serviços de Saúde sem que se tenha iniciado a construção do Hospital.
O concelho perdeu as posições cimeiras que já ocupou, quando gerido pela CDU, nos índices de bem-estar, conforto e poder de compra.
A CML abandonou a dinâmica de progresso contínuo na construção de equipamentos colectivos capazes de melhorar as condições de vida dos seus munícipes.
O território municipal tornou-se, de novo, um espaço apetecível para a especulação imobiliária, que aqui tem encontrado uma Câmara Municipal sempre pronta a colaborar com o crescimento do betão e pouco atenta à
defesa do interesse colectivo.
Infelizmente, Loures é hoje um concelho de que quando se ouve falar, é quase
sempre pelos piores motivos: insegurança, cheias ou pobreza infantil.

A CDU defende que o estado de coisas que se atingiu no concelho de Loures não é uma fatalidade que não possa ser alterada, sendo urgente inverter o rumo seguido nos últimos anos, é urgente uma VIDA NOVA PARA LOURES.
A CDU quer um concelho mais equilibrado, em que a Câmara Municipal tenha políticas capazes de contribuírem para a coesão social.
O ordenamento e gestão do território, as políticas de acção social, saúde, habitação, mobilidade, segurança pública, ambiente, educação, desporto e cultura, apoio às empresas e à actividade económica podem, e devem, promover a coesão e solidariedade social, capazes de melhorar a qualidade de vida das pessoas, objectivo que deve ser a razão primeira da política.
A CDU quer um concelho em que a opinião dos munícipes conte, um município solidário que invista nas pessoas, desenvolvido e governado para todos, capaz de valorizar o espaço público, de atrair empresas e de criar emprego.
Quer uma Câmara Municipal que tenha uma gestão municipal eficiente e acessível e com a coragem de defender os interesses do concelho em qualquer circunstância.
Para tudo isto a CDU tem propostas e construiu um Programa Eleitoral que lhes dá corpo.
O Programa Eleitoral da CDU estabelece objectivos concretos de actividade que serão, acompanhados na sua execução pelas pessoas.
O Programa que a CDU apresenta aos eleitores constitui, assim, um compromisso capaz de garantir as melhores soluções para os problemas do concelho de Loures e uma gestão democrática e participada das suas autarquias.

1 comentário:

Sopro leve disse...

Infelizmente, em Loures e Odivelas mandam os construtores; Deste modo a única politica é a do betão e dos compadrios...
O que os media dizem sobre este tipo de assuntos, nada... nadinha..