terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Logo no primeiro dia do ano: canalhices e pós de perlimpimpim

O Ministério das Finanças foi taxativo: as adaptações dos comerciantes ao novo regime de facturação tem que ser aplicado sob pena de pesadas coimas. Ao governo pouco importa saber se os comerciantes têm condições para fazer os respectivos investimentos, pouco importa que eles se somem à quebra de actividade resultante da quebra de rendimentos dos portugueses e da elevação do IVA

O ministro dos Assuntos Sociais, no dia em que entram em  vigor novos cortes sociais, novos cortes de rendimentos, entendeu sublinhar, como grande notícia do dia, a passagem das pensões mais baixas de 246 para 256 euros (10 euros mensais!!!)

O Presidente da República fez o seu discurso de Ano Novo para nos dizer das suas apreensões e discordâncias, para depois justificar a promulgação do Orçamento do Estado, faltando à verdade quando se justificou com o país não poder ficar sem Orçamento...Pode, porque outras soluções seriam melhores do que este OE que vai afundar o país. A uma grande apreciação de factos que ninguém hoje consegue negar, seguiu-se o deserto sobre a sua intervenção futura...

Apesar deste cavaquear, o porta-voz do PS colou-se ao discurso do PR, afirmando que ele decretou o "isolamento de Passos Coelho", entrando numa via tortuosa de intrigalhada que deixa muito a desejar quanto à sua vocação "de esquerda"...

1 comentário:

Rogério Pereira disse...

Impecável Bernardino Soares, a responder à altura...

http://videos.sapo.pt/SULGqeYwSQLSasnRocWz