quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

A República, segundo Mário Soares, na RTP

Chega-nos a notícia de que está em preparação uma série televisiva que passará
na RTP em Outubro, por altura da comemoração do 100º aniversário da
proclamação da República - série que, em oito episódios de 50 minutos cada,
se propõe falar-nos de «cem anos de política portuguesa, entre 1910 e 2010».
Ora aí está uma excelente ideia!

A notícia prossegue, informando que esses cem anos chegar-nos-ão «através do olhar privilegiado de Mário Soares», que é «a personagem principal» da série
e que nos «vai contar as suas memórias».
Ora aí está como se estraga uma excelente ideia!

A notícia diz, também, que «o testemunho de Mário Soares será, depois,
cruzado e confrontado com os testemunhos de outras personagens» pertencentes«a todos os quadrantes políticos».
Lendo os nomes dessas «outras personagens» constata-se que estão lá «todos
os quadrantes políticos»... menos o dos comunistas...
Ora aí está no que uma excelente ideia pode dar!

Quem está a realizar a série é um cineasta sobrinho de Mário Soares, de seu
nome Mário Barroso - apoiado numa «equipa ecléctica de oito intelectuais»,
ou seja: também pertencentes «a todos os quadrantes políticos».
Lendo os nomes dos oito eclécticos constata-se que nenhum deles é comunista
- nem pouco mais ou menos...
Ora aí está a ideia!...

Posto isto, está-se mesmo a ver o que aí vem: é uma série portuguesa,
concerteza, é concerteza uma série portuguesa...
(texto de António Almeida...imagem de bandeira negra)

5 comentários:

migana disse...

Mais uma ideia cheia de democracia!!!
E os comunistas é que são fanáticos e so gostam de ditaduras...

Sopro leve disse...

Mais do mesmo...
Mas de alguém que sempre prostituiu o seu Pais, o que devemos esperar?
Com um bocadinho de sorte estes pseudointelectuais ainda vão descobrir que foi este sujeito que proclamou a República, mas como foi à 100 anos vão dizer que foi na reencarnação anterior...

universina coutinho disse...

Esta é democracia dos patrícios que arvoram-se em mandatários e juízes do pensamento dos plebeus! Um atestado de menoridade ao cidadão pensante, com resquícios da eterna intolerância aos comunistas. Se estes são assim tão maus para a República, porque tanto medo de dar-lhes a palavra?

A. Marques Lopes disse...

...Mas é claro. Em 1910 ainda não havia comunistas... só um cadáver como o Mário Soares é que pode falar desses tempos.

João Moreira disse...

Este Mário Soares é um "sinhor". Está em todas. Até parece a Lili Caneças.
Como não lhe bastavam os tachos que sempre arranjou ao longo da sua vida, mesmo depois de estar uma autêntica "múmia política" (o que acho que sempre foi), continuam a dar-lhe tempo de antena e, claro está, uns belíssimos trocado$, que vida de reformado é difícil...
Quanto aos comunistas não participarem, também acho bem. Os gajos são uns chatos que nem vos digo... Estão sempre a dar cabo da cabeça ao capital e seus lacaiozinhos. Até são meninos para desmontarem as teorias de alguns "democratas" envernizados, o que diga-se, é aborrecido...