terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

A Ilha Nua


A chuva caiu há pouco e, nem sei porquê, dou comigo a assobiar a música de um dos filmes que mais me impressionou em toda a minha vida: A Ilha Nua, de Kaneto Shindo, realizado em 1960.
Sem diálogos, a preto e branco, é um drama, em jeito de documentário.
Uma família de pai, mãe e dois filhos, únicos habitantes de uma pequena ilha de um dos muitos arquipélagos do Japão, deslocam-se várias vezes ao dia a uma ilha maior, próxima, para trazerem um bem essencial para as suas vidas: a água para as suas pobres culturas, fonte de alimentação e de algum comércio. É um filme minimalista, extremamente simples e belo, despido de compromissos comerciais.

O autor ombreou com Akira Kurosawa e Shonei Imamura, num dos períodos mais férteis do cinema japonês.

Se ainda o não viram, procurem-no e ouçam o tema musical nesta abertura do filme.

4 comentários:

mdsol disse...

:))

J disse...

O som também é ele minimalista, mas eleva a beleza do preto e branco. Deu para notar um conceito forte no pequeno trecho. Fiquei curioso de ver o filme.

Marisa disse...

O silêncio, também é uma forma de vida e de grande mensagem...
Com a música já fico, agora venha o filme... Mais difícil
:))
:))

Marisa disse...

O silêncio, também é uma forma de vida e de grande mensagem...
Com a música já fico, agora venha o filme... Mais difícil
:))
:))