sexta-feira, 7 de março de 2014

Os nazis do governo saído do golpe de estado na Ucrânia

O auto-proclamado novo "primeiro-ministro" ucraniano, saído do golpe de Estado organizado na Ucrânia pela CIA, Arseniy Yatsenyuk tem um governo sui generia pela sua composição e pelo apoio que recebe dos países da NATO. Yatsenyuk é membro do partido da ex-primeira-ministra Yulia Timoshenko, que estava presa por gestão danosa e em proveito próprio, depois da derrota eleitoral sofrida de que saiu o primeiro-ministro afastado agora pelo golpe de estado. Viktor Yushchenko, dirigente do mesmo partido que Yulia, o homem da Revolução Laranja, é casado com Kateryna Chumachenko, que se vê na
imagem. Cidadã nascida e criada nos EUA, onde adere ao movimento norte-americano nazi chamado "National Alliance". Trabalhou na Casa Branca durante a administração de Ronald Reagan e posteriormente na de George H. W. Bush. Foi co-fundadora e vice-presidente da fundação Ukraine-USA.
E que é uma das heroínas da actual "revolução ucraniana".
Segundo o jornalista francês Thierry Meyssan, está agora no poder um governo que representa vários oligarcas e grupos extremistas. Entre os seus membros aparecem vários líderes nazistas. É a primeira vez, desde a Segunda Guerra Mundial, que chegam ao poder, num país de Europa, vários políticos que reclamam como referência directa o III Reich.
Ainda segundo Meyssan dois membros do novo governo ucraniano proclamam as suas ligações com o Emirado Islâmico do Cáucaso do Norte, organização vinculada à al-Qaeda, segundo a ONU. E, um deles, inclusive, combateu contra Rússia como membro dessa organização. E refere ainda que três membros do novo governo ucraniano participaram em operações de fabrico de imagens, nas que se faziam aparecer como vítimas do regime democrático de Viktor Yanukovich (ver http://www.voltairenet.org/article182504.html).
Entre os partidos fascistas e nazis a que pertencem, inclui-se o Svoboda (Liberdade), Sector Direita, Stepan Bandera Treezoob, Partido Nacional-Socialista, Auto-Defesa Ucraniana (UNAUNSO).
Pode ainda encontrar na voltaire.net.org a opinião de um analista russo, Alexandre Douguin, de que a NATO não deverá intervir na Crimeia, mas que uma filial da Academi (ex-Blackwater), Greystone Limited, iniciou a colocação de mercenários na Ucrânia. Os mercenários chegaram em grupo, à civil, com pesados pacotes, ao aeroporto de Kiev, de onde serão enviados para Odessa (foto à esquerda).

2 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

O José Rodrigues dos Santos "ignora" isto...

Anónimo disse...

O José Rodrigo dos Santos apenas fala pela "voz do dono"