sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

TC chumba cortes nas pensões da Função Pública. A manipulação continua não estando ainda fechado o mercado dos eurodeputados

A decisão ora tomada pelo TC, na sequência de outras da mesma natureza, e seguida de declaração enfática do Primeiro-Ministro de que vai insistir nesses cortes de uma maneira mais inteligente e eventualmente de novos aumentos de impostos, deveria iluminar o pensamento do Presidente da República para demitir o governo de imediato, ou depois de uma fiscalização preventiva do Orçamento de 2013.

A precipitação da acção do governo tem sido sustentada na fé de que os mercados de capitais para a aquisição da dívida iriam depois da decisão do TC ser mais exigentes nas taxas de emprés
timos. Vamos ver o que diz o tal "mercado" quando de novas emissões de dívida.
Importa a propósito esclarecer que os nossos credores, por esta via especulativa nos estão a roubar ainda mais, são frequentemente referidos por jornalistas e comentadores por conta como "investidores". De facto não investem nada na nossa economia, e pela especulação em espiral nas taxas de juro a pagar, contribuem para o empobrecimento crescente do país, para o definhar da economia e o crescimento do desemprego.

Já agora fico curioso em saber se António José Seguro vai manter Vital Moreira como deputado europeu, depois do "distinto constitucionalista" se ter manifestado contra a decisão do Tribunal Constitucional, subscrevendo a doutrina do Governo em não considerar o valor das pensões como direito adquirido por quem trabalhou, descontou (mais que no sector privado) e viu as suas pensões serem calculadas com base em fórmulas que foram alteradas ao longo dos anos em seu prejuízo e que, mesmo assim, se confrontam com estas novas tentativas de saque.
Vital Moreira fica nas listas do PS ou o PSD paga o passe?

Para terminar, Passos Coelho nada disse sobre a reunião da União Europeia com a NATO, em que estava a participar em que a NATO (leia-se EUA, Inglaterra e França) exigia uma elevação das contribuições orçamentais para o armamento que novas cruzadas contra os "inimigos" imporiam...

2 comentários:

Anónimo disse...

Como li algures "com tanto chumbo se ele fosse um coelho a sério já tinha morrido não..." fazia-nos um favor.
Maria

Graciete Rietsch disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.